CORONAVIRUS

Ministério da Saúde recua e confirma quarto caso de coronavírus no país

Mais cedo, governo havia dito que o caso não seria contabilizado porque adolescente não apresentava sintomas da doença; ela esteve na Itália e não teve febre ou problemas respiratórios

05/03/2020 15h22Atualizado há 4 semanas
Por: Portal Repercutiu
Fonte: ESTADÃO
Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva sobre a situação do coronavírus no Brasil Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADAO
Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva sobre a situação do coronavírus no Brasil Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Ministério da Saúde confirmou o quarto caso do novo coronavírus no Brasil. O governo mudou o posicionamento no final da manhã e informou que, em reunião em Brasília, especialistas classificaram o caso da adolescente de São Paulo como confirmado. Quatro elementos teriam levado à definição do caso como confirmado: resultado do exame, local provável de infecção (a jovem esteve na Itália), possibilidade da medicação após tratamento de uma lesão ter mascarado os sintomas e possibilidade dela ainda ter sintomas nos próximos dias. 

Mais cedo, o governo havia informado que os testes feitos na jovem, que tem 13 anos, deram positivo, mas que o caso não seria contabilizado como o quarto do País porque ela não havia apresentado sintomas, como febre e algum outro problemas respiratório. 

O Brasil tem 531 casos suspeitos da doença. Outros 315 já foram descartados. 

 

 

ctv-ilf-mandeta
Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva sobre a situação do coronavírus no Brasil  Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADAO

A jovem, que esteve na Itália - país que registra elevado número de casos da doença - e voltou ao Brasil no domingo, dia 1º, foi atendida no Hospital Beneficiência Portuguesa, em São Paulo, na terça-feira, 3. As amostras coletadas foram encaminhadas ao Laboratório Fleury. O resultado do exame foi positivo. A contraprova foi realizada pelo Instituto Adolfo Lutz, que confirmou a infecção pelo vírus.  

De acordo com a nota publicada mais cedo,  o ministério informava que "outras análises estão sendo realizadas, que devem mostrar situações como carga viral e potencial de transmissão, supressão de sintomas por uso de medicamentos (a jovem foi atendida em hospital italiano por lesão de ligamento) e histórico dos familiares que a acompanharam na viagem." 

Ainda segundo o texto, embora a notificação não cumpra as definições para vigilância em saúde, a adolescente e seus contatos serão monitorados. 

Todos os laboratórios públicos ou privados que identificarem casos confirmados de coronavírus pela primeira vez, devem passar por validação de um laboratório de referência nacional, como Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/RJ), Instituto Evandro Chagas da Secretaria de Vigilância em Saúde (IEC/SVS) no Estado do Pará e Instituto Adolfo Lutz da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. 

No caso do Hospital Israelita Albert Einstein e do Fleury, não há mais necessidade de contraprovas, dado que eles passam a ser considerados parte da Rede Nacional de Alerta e Resposta às Emergências em Saúde Pública depois da validação do primeiro caso reportado. 

 

PARA ENTENDER

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença 

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia 

 

Coronavírus no Brasil

Com isso, o Brasil tem quatro casos importados do novo coronavírus. O primeiro caso foi de um empresário de 61 anos que ficou na Itália entre 9 e 20 de fevereiro. Ele chegou a São Paulo no dia 21 vindo de aeroporto Charles Charles de Gaulle, em Paris, sem sintomas, como tosse, febre ou gripe. No domingo, ele fez uma reunião familiar com 30 pessoas e foi quando começou a sentir os primeiros sintomas; na segunda-feira, 24, ele procurou o hospital. 

O segundo caso foi de um homem de 32 anos, que foi atendido no mesmo hospital e também visitou a Itália. O paciente chegou a São Paulo na quinta-feira, 27, de um voo procedente de Milão, na região da Lombardia (norte do país), quando seus sintomas tiveram início. Durante o voo, ele usou máscara.  

No atendimento, foram relatados febre, tosse, dor de garganta, mialgia (dor muscular) e cefaléia (dor de cabeça). O paciente recebeu a orientação de isolamento domiciliar, uma vez que o quadro clínico é leve e estável. O hospital adotou todas as medidas preventivas para transmissão por gotículas e ele não precisou ficar internado. 

terceiro paciente confirmado com a doença é um administrador de empresas colombiano, de 46 anos, que vive na cidade de São Paulo e que viajou ao exterior ao longo do mês de fevereiro. Ele foi à Espanha no dia 9 de fevereiro e passou pela Itália, Áustria e Alemanha antes de retornar à capital paulista, em 29 de fevereiro. Com tosse, dor de gargante e cabeça, ele procurou o hospital na quarta-feira, 4, onde o teste foi realizado e a confirmação ocorreu. 

Caso assintomático

O caso da jovem também é o primeiro com paciente que não apresentou sintomas. Clínico e infectologista da Universidade Federal de São Paulo(Unifesp), Paulo Olzon explica que, no caso de doenças infecciosas, é possível que pacientes não apresentem sintomas

"Isso vale para o coronavírus e para outras doenças, como gripe e dengue. Tem pessoas que entram em contato com o agente infeccioso e não apresentam nada. Outras, apresentam poucos sintomas. Se pegar uma área com epidemia de dengue e realizar exames, serão encontrados anticorpos em uma parte da população que não teve sintomas." 

O resultado positivo, segundo Olzon, também não quer dizer que a doença está ativa naquele momento. "Uma pessoa que tem um resultado positivo pode ter tido a doença há algum tempo. É uma cicatriz sorológica, o anticorpo que se desenvolve um tempo após a pessoa ter contato com a doença." 

A infectologista Raquel Muarrek diz que os estudos realizados sobre a doença mostram casos de pacientes assintomáticos, mas que ainda não foi determinado o potencial de transmissão do vírus por essas pessoas. "Jovens, normalmente, têm menos sintomas, mas qual é o grau que essas pessoas que não têm tosse e espirro pode transmitir o vírus?", questiona. 

Sobre o uso de medicações que podem ter mascarado os sintomas da jovem, conforme afirmou o Ministério da Saúde, a infectologista diz que o efeito pode ter ocorrido no quadro respiratório.  

"Mas a gente não tem essa certeza pelo quadro inicial viral, porque não se trata vírus. O que ela tomou não foi antiviral, foi antibacteriano, que ajuda a diminuir sintomas secundários, como a evolução da pneumonia."