TRUMP

Trump dá perdão presidencial a quatro criminosos de colarinho branco

Entre eles está o ex-governador de Illinois e democrata Rod Blagojevich, condenado por tentar vender a cadeira que Obama deixou vaga no Senado após ter sido eleito presidente dos EUA

19/02/2020 02h26Atualizado há 1 mês
Por: Portal Repercutiu
Fonte: estadão
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em comício em Manchester, New Hampshire Foto: Jim Watson/AFP
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em comício em Manchester, New Hampshire Foto: Jim Watson/AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, perdoou sete pessoas nesta terça-feira, 18, incluindo o ex-rei dos títulos de risco Michael Milken e Rod Blagojevich, ex-governador de Illinois condenado por tentar vender uma cadeira no Senado americano.   

Os perdoados haviam sido condenados por crimes diversos, que iam de fraudes fiscais a acusações de drogas e roubo.  

O mais notório, o democrata Blagojevich, apareceu no reality show Celebrity Apprentice, comandado por Trump, enquanto aguardava julgamento. Ele havia começado a cumprir uma sentença de 14 anos em 2012, após ser condenado por fraude eletrônica, extorsão e tentativa de suborno. "Essa foi uma sentença tremendamente poderosa e ridícula", disse o republicano Trump. 

 

Blagojevich, de 63 anos, foi destituído do cargo em 2009, depois que os promotores disseram que ele tentou vender o assento que Barack Obama deixou vago no Senado após ser eleito presidente.  

 

ctv-fh7-donald-trump
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em comício em Manchester, New Hampshire Foto: Jim Watson/AFP

Milken, uma vez considerado o "rei dos títulos de alto risco" de Wall Street, foi indiciado em 1989 em uma investigação sobre informações privilegiadas. Depois de se declarar culpado por violações de valores mobiliários, pagou US$ 1,1 bilhão e cumpriu cerca de dois anos de prisão. 

Desde então, dirige o Instituto Milken, sem fins lucrativos, que desenvolve uma ampla gama de pesquisas, que vão de câncer a mercados financeiros. A cada ano, os titãs das finanças se reúnem na Conferência Global do Milken Institute, onde gestores e profissionais de marketing atraem investidores e filantropos em perspectiva. 

"Temos Mike Milken, que fez um trabalho incrível para o mundo com todas as suas pesquisas sobre o câncer", disse Trump a repórteres em Washington. "Pagou um preço alto, pagou um preço muito difícil." 

Trump também perdoou o ex-comissário do Departamento de Polícia de Nova York, Bernard Kerik, que foi condenado em 2010 a 4 anos de prisão por fraude fiscal e por fazer declarações falsas. 

Kerik, um aliado do ex-prefeito de Nova York e advogado de Trump Rudolph Giuliani,foi um líder na resposta da cidade aos ataques do 11 de Setembro. Sua carreira se desenrolou quando ele tentou esconder reformas de apartamentos pagas por um empreiteiro que a cidade havia colocado na lista negra por causa de suspeitas de laços com o crime organizado. 

Kerik se declarou culpado de esconder as reformas da Receita Federal e de mentir para funcionários da Casa Branca enquanto era examinado para liderar o Departamento de Segurança Interna, sob o presidente George W. Bush. Ele foi libertado em maio de 2013. 

Trump também perdoou Eddie DeBartolo Jr., ex-proprietário do time de futebol americano San Francisco 49ers. Ele se declarou culpado em 1998 por não ter denunciado um crime referente ao pagamento exigido por uma licença de cassino em um esquema de suborno. 

Outros perdoados incluem o empresário Ariel Friedler, que se declarou culpado de conspiração para acessar um computador protegido; Paul Pogue, acusado de fraude fiscal; David Safavian, oficial de compras dos EUA que mentiu sobre laços com o lobista Jack Abramoff;  e Angela Stanton, envolvida em um roubo em 2007. 

Trump também comutou as sentenças de três mulheres, duas condenadas por acusações relacionadas a drogas e uma acusada de fraudar o governo federal por meio de sua empresa de assistência médica. 

"O perdão dessas figuras desonradas deve ser tratado como outro escândalo nacional por um executivo sem lei", disse o representante democrata Bill Pascrell, crítico dos perdões de Trump. /Reuters